"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Na casa de Angel


autor: boavida
publicado em: 18/01/17
categoria: grupal
leituras: 2354
ver notas
Fonte: maior > menor


Adoro esta nova moda de passar as noites a falar entre amigos. Não sei de quem foi a ideia, mas a casa da Angel apresenta sempre cada vez mais gente para estas reuniões. Não há tema, ela somente convida uma pessoa para falar sobre o que quiser e como quiser.

Esta noite fui eu o convidado para falar, ou melhor, para preencher uma noite como bem pretendesse. Quando soube, fiquei nervoso e sem saber o que fazer. Pensei muito, agarrado a um copo na mesa do canto, junto da areia da praia. O vento trazia e levava ideias e os copos ficavam vazios, seria o calor que deixava os copos vazios?

Quando confirmei a minha conferência não revelei nada do que iria apresentar. Queria surpreender todo o mundo a falar de sexo, sexo explícito, sexo em grupo, mas tudo sem violência, sublinhando as vontades das mulheres e dos homens. O querer. Consegui a surpresa total, adorei.

Cheguei cedo a casa da Angel e acabei explicando a minha intenção. Tinha decidido falar do passado, da minha chegada à cidade, as vizinhas e as novas amizades. Romanceei um pouco esses dias, mas ficou bem o texto escrito junto à praia. Ela adorou o tema e deu a ideia de eu entrar na sala com todo o mundo sentado à minha espera, sem roupa e falar em pormenores para excitar mesmo todos os presentes.

Assim fiz. Mas não vou contar aqui a minha conversa, mas era notório que algumas pessoas não estavam confortáveis com a minha conversa, enquanto outros até deixavam os seus corpos deslizar para junto dos vizinhos. Ainda pensei que conseguisse realizar uma suruba durante a minha conversa, mas as minhas capacidades para mobilizar as pessoas são muito reduzidas!

Acabada a conversa, atravesso a sala, bem pelo meio dos convidados, alguém me passou um copo para a mão e dirijo-me para o sofá onde está a Angel sentada com o nosso amigo C. Em frente deles uma mesa cheia de copos vazios e brinquedos sexuais, todos limpos, alguns até ainda estavam nas embalagens de compra. Eu andava com o olhar fixo nela, estava brilhante, talvez fosse da luz a bater na sua pele, tanta pele por ali disponível, tanta pele. Passei junto de muita gente, rocei em bunda, de homem e de mulher, pus a mão em muito corpo vestido e também procurei a pele visível de algumas mulheres. Tudo muito rápido mas mantive sempre o sorriso. Quando cheguei, ela atirou-se para o meu pescoço, fazendo-nos rodar sobre os meus pés e colou os seus lábios nos meus. Separou-se de mim deixando a língua para ser chupada pelos meus lábios. O meu sexo cresceu imediatamente e ela afastou-se, acariciando-o e falando com ele, ralhando como se fosse um menino traquina. Sentei-me meio envergonhado com os olhos de todos os que estavam próximo fixo na minha pessoa. Angel sentou-se sobre os joelhos de C sorrindo e disse:

- Daqui vejo os dois, ui! Olha, adorei a tua leitura, bem excitante, deu para ficar com vontade de um bom sexo!

- Que nada! Olha só em volta e ninguém está tocando em ninguém! Foi só mais um texto. – Disse eu.

- Então vamos começar nós! E já… - Disse ela a rir e atirando-se aos beijos para cima do C.

Eu estava admirado com aqueles dois, conseguia sentir o calor vindo daquele par, ela nuns calções muito pequenos e bem colados no seu corpo e uma camiseta triangular, amarrada na nuca e também no meio das costas. Já não me lembro bem das cores da sua roupa, mas consigo dizer onde ela tem sinais e rugas e… Rugas? Ela não tem rugas, somente uma pele lisa e macia, e, bem cheirosa. Tive vontade de tocar nela, e toquei, com a ponta dos dedos e depois com as costas da mão, bem ao de leve ao longo das suas costas, para cima e para baixo. Ela riu, levantou-se, pôs uma perna de cada lado e sentou-se no colo do C, beijou-o, baixou a camiseta deixando os seios nus, e conduziu a boca dele para os mamilos. Olhou para mim, sorrimos e puxou-me até aos seus lábios. Gostei, gostei muito daquele beijo e levei a minha mão para a sua nuca, deixando deslizar costas abaixo. A língua dela dançava com a minha. Puxava o meu cabelo como se fosse a crina de um cavalo, doía mas era gostoso, bem gostoso. A minha mão entrou por baixo do shortinho de malha, dando para sentir uma nádega lisa e macia.

Levantou-se de repente como se a noite tivesse chegado ao fim, mas na verdade, despiu-se e voltou à mesma posição no colo amigo C. As suas mãos desapareceram entre os dois corpos, logo percebi que estava a abrir as calças dele, sorri. Ela levantou-se ligeiramente e agarrando o pau dele, levou-o até ao seu sexo, brincou uns momentos, olhou-se e ofereceu-me os lábios. Aproximei-me e lambi aqueles lábios vermelhos, ela fechou os olhos e abriu, desviando o olhar para o meu pau, bem entusiasmado com aquele momento. Com a mão livre agarrou no meu sexo e começou a punhetar bem lentamente, voltando a olhar para mim como a pedir para a beijar. Foi o que entendi daquele olhar e do movimento da língua nos seus lábios. Libertei-me da sua mão e encostei-me às suas costas, com uma mão virei-lhe suavemente a cabeça enquanto a beijava na nuca, mordi a sua orelha e cheguei ao canto da boca, bem no sítio onde os lábios se encontram. Beijei e passei a língua, só a ponta e depois fui entrando e ela mordeu e riu, rimos.

Lancei um olhar em volta e as pessoas conversavam, muito poucos namoravam, de repente sou puxado pela Angel, primeiro o braço e depois o pescoço para me segredar:

- Quero-te dentro de mim, vem, dá-me prazer, mata-me de excitação.

Passei as mãos nas suas costas, lentamente como se fosse uma massagem sensual, subi para o sofá e puxei a cabeça dela de modo a ela chupar o meu sexo. Estava muito excitado ao ver-me desaparecer naqueles lábios, ela engolia depois de passar a língua naquela ponta lisa. De seguida, engolia e chupava… chupava até que começou a punhetar com a mão e pensei que fosse acabar ali a minha noite, mas ela sorriu-me e perguntou: - Agora?

Antes de responder deixei-me ficar de olhos fechados a sentir aqueles lábios a envolver o meu pau, quase pedia mais um pouco, queria parar o movimento do mundo para ficar ali a sentir a língua dela no meu sexo, queria que ele explodisse dentro daquela boca, queria ver um fio de líquido branco a correr pelo canto da sua boca. Mas, foi só um sonho, na realidade, estávamos rodeados de gente que nem queria saber que estávamos ali a fazer sexo em grupo em público.

Desci e voltei para trás dela, dobrei as pernas para levar o meu sexo até ao seu cuzinho, ela parou o movimento que estava fazendo com o C, e vejo as mãos dos dois a afastar as nádegas, senti que me estavam a abrir a porta para o paraíso. Acariciei o anelzinho do cu da Angel com a cabeça do meu sexo, e lentamente fui entrando. A cabeça foi difícil de entrar, mas depois fui até ao fundo, até não poder entrar mais. Parei. Comecei a sair muito devagar. Ela estava com a cabeça pousada no ombro do C e eu consegui ver a sua face, o prazer pintado na sua face, fechava os olhos e abria, sorrindo por certo de prazer. Suspirava e arfava. Eu continuava a sair, cada vez mais devagar, e com os olhos na boca dela. Decido sair mesmo, e volto a entrar, olho para o seu cuzinho para meter o meu pau, e ainda vejo o anelzinho bem aberto, piscando, como se tivesse vida e acompanhasse as batidas do coração. Excitou-me muito ver aquele cuzinho bem aberto e entro de uma só vez, ela gritou ligeiramente, não sei se por dor ou por prazer, ou simplesmente para chamar a atenção de todos os presentes naquele espaço. Eu estava hipnotizado pelo buraco daquele cu, tanto que nem sentia o meu pau a roçar no pau do C. Era só eu e aquele buraco, ou melhor eu e ela. Entrava e saía e voltava a entrar, ia até não poder mais e voltava a sair, e de imediato voltava a repetir tudo, olhando fixamente os seus lábios e os olhos e o cu.

Apesar de estarmos os três a viver aquele momento especial, o C parecia, de algum modo, estar posto de lado, eu não o via nem sentia ela tocava-lhe mas era tudo… como dizer... automático. Por isso quase me assustei quando ele disse para ela ser mais rápida e pediu para ela lhe dar um seio:

- Quero morder esses bicos! Deixa-me chupar…

Ela afastou-se de modo a ele poder ter o prazer que pretendia, ela arfava e eu não parei com o movimento de entrar e sair. Comecei a sentir o pau de C a apertar o meu, e decido então acelerar as minhas entradas e saídas até esvaziar o meu saco dentro dela. Perdi as forças nas pernas e temi cair, mas agarrei-me nos ombros dela e deixei-me cair nas suas costas. C também se veio pois urrou como um animal moribundo. Ficamos os três ali como se não houvesse mais mundo.
Angel parecia estar a acordar e beijou C e depois eu, acariciou um e outro, perguntando:

- Acabou a nossa festa?

- Não sei!,,, - Respondeu C e eu como se fosse o seu eco.

Sorrimos.

- Pensei que esta noite ia acabar com um trenzinho de sexo e somente tivemos uma sanduíche!
Rimos e olhamos os outros, tão sérios e formais. Nós os dois nus ali e o C com o pau fora das calças, parecia um filme de loucos. Sexo no meio de estátuas, mas foi inesquecível a minha conferência em casa da Angel. Sim, pergunto agora onde está o tesão das pessoas? Tudo foi vergonha e tentaram esconder? Será?

Obrigado minha musa.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.