"Os mais excitantes contos eróticos"


Eu 40 anos, Cris 21 e Bia 18..


autor: Advogato40
publicado em: 08/01/16
categoria: hetero
leituras: 14146
ver notas
Fonte: maior > menor


Senhores, Senhoras e Senhoritas: Terminei de redigir meu conto. Optei em publicá-lo integralmente, repetindo a primeira parte. Segue abaixo:

Tenho 40 anos, sou divorciado, advogado com um pequeno escritório no centro de SP. Sempre fui um cara muito safado, tarado e tive muitas amantes. Já fui casado três vezes, mas prefiro ficar solteiro, pois não abro mão de minhas diversões sexuais. Sou moreno claro, 1,80m, 79kg, corpo bem definido devido a 20 anos de academia diária. Sou um atleta, procuro me manter sempre em forma. Tenho independência financeira, o que me permite ter grandes aventuras.

Esse caso, além de recente é especial, ao ponto de decidir registrá-lo na forma de conto, para que minhas doces lembranças continuem vivas e quentes.

Vamos lá: Num feriado do fim de 2015, chamei uma das garotas que costumo pegar, uma empregada do condomínio onde moro. Ela trabalha na área de limpeza, tem 19 anos, uma mulatinha muito gostosa, corpo perfeito, deliciosamente safada e adora ganhar uma gorjeta comigo. Mora numa favelinha de Guarulhos/SP e quando chamo para curtir ela vem como uma cadelinha. Neste conto, vou chamá-la de Cris.

Peguei a Cris num ponto de ônibus perto do metrô Armênia e fomos direto para o litoral, onde tenho uma quitinete na Praia Grande, apenas quarto, cozinha e banheiro, bem pequena, simples, mas confortável, decorada e equipada, é meu paraíso secreto, onde levo minhas putinhas particulares.

Chegando lá, fomos almoçar e me deparei com uma grande amiga de longa data. Ela estava com sua filha, Bia, personagem principal desse conto, com apenas 18 anos. Nos cumprimentamos calorosamente e a pequena Bia também me deu um gostoso abraço. Apresentei a Cris como minha faxineira mesmo, disse que eu a trouxe de SP para dar uma limpeza geral na quitinete.

Depois de mais de uma hora na churrascaria tivemos de nos despedir. A mãe da Bia estava na cidade a alguns dias, pois também tem um apartamento lá e estava voltando para SP. Eu disse que tinha acabado de chegar e que iria ficar uns 3 a 4 dias.

Nesse momento, a pequena Bia, me chamou a atenção. Até aquele minuto, ao lado de sua mãe, eu a via apenas como a filha de uma amiga. Mas comecei a reparar que se tratava de uma jovem e deliciosa fêmea, com seus 1,60 mts, 50 quilinhos, pequenas sardas, seios do tamanho de um pequeno limão e uma bundinha já bem desenhada e empinada. Fiquei excitado ao pensar em chupar todo aquele corpinho, tão gostoso e inocente.

Mas como disse, Bia chamou a atenção de todos: Com sua voz ainda de criança, fazendo biquinho, implorou para sua mãe: Mãe... não quero ir embora, deixa eu ficar com o tio até domingo..!?? Deixa!? Deixa!? Deixa!?

Não acreditei no que estava acontecendo. A mãe dela na hora disse que não, de jeito nenhum, etc. Mas a menina implorou e evidentemente, pensando naquele corpinho, disse que não teria problema nenhum em ficar com ela, que cuidaria dela e a levaria de volta para casa na noite de domingo.
Quando sua mãe disse que SIM, TUDO BEM... quase tive um treco, fiquei de pau duro na hora!!! Nos despedimos e fui com as duas gostosas para minha quitinete.

Minha outra garota, a Cris, sabendo que eu era muito safado e tarado olhou pra mim com cara de espanto e dúvida, pois a princípio poderia atrapalhar nossas trepadas no fim de semana. Num determinado momento, chamei a Cris de lado e disse pra ela que estava afim de provar a Bia, mostrei meu pau duro e disse que iríamos fazer um teatro para envolvê-la. Bastaria apenas eu criar um clima com a ajuda da Cris.

Antes de chegar na quitinete, passei no shopping, comprei roupas para a Cris e a Bia, uns biquínis, shorts, camisetas, etc. Bia já havia percebido que Cris não era somente minha faxineira, pois tínhamos bastante intimidade. E parece que isso deixou ela mais desinibida.

Chegando na quitinete, perguntei se queriam ir para a praia, pois o sol ainda estava quente. Elas toparam e então pedi para elas se trocarem. Dei um toque para a Cris, pisquei para ela e disse baixinho para demorar na troca de roupas e ficar apenas de calcinha e sutiã na frente da Bia. Seu corpo perfeito, vestindo apenas uma micro-calcinha, começaria a criar um clima, provocando a Bia. Eu simulei que não estava achando minhas roupas, que minha mala estava uma bagunça.

Fiquei apenas de cueca, uma branca e transparente, deixando mostrar minha pica já volumosa, meu saco, coxas, etc. Quando Bia me viu bem em sua frente, percebi seu espanto, mas não ficou sem jeito, pelo contrário, ficou me fitando com o lado do olho. Fiz questão de ficar na frente dela várias vezes, para mostrar o volume da cueca. Fiquei fazendo uma cena, perguntando para a Cris, onde estava minha sunga.

A Cris então já tinha sacado tudo, percebeu e começou a fazer o jogo. A cada segundo, a brincadeira ou o teatro ficava mais quente e gostoso. Cris então chegou com minha sunga e brincou dizendo se queria que me ajudasse a trocar a cueca pela sunga. Bia já demonstrando estar bem a vontade deu uma gargalhada bem gostosa. Fiquei mais alguns minutos só de cueca e Bia já não disfarçava mais seu olhar, reparando diretamente no volume de minha rola já dura.

Elas então se vestiram, com biquínis deliciosos, eu coloquei minha sunga e fomos juntos à praia. Brincamos bastante, reparei bastante no corpo de Bia, já bem formado e pronto para o amor, pronto para uma boa trepada. Fiquei pensando como seria a noite com as duas. Já tinha preparado e combinado tudo com a Cris, para criar um clima sensual, ficar me provocando na frente da Bia, exibindo seu corpo, etc.

Depois de algumas horas, decidimos voltar à quitinete, quando tive uma grande idéia: Lembrei de um bar que oferecia serviço de ducha, num pequeno banheiro. Chamei a Bia e a Cris para irmos juntos e tirar a areia do corpo. O serviço de ducha custava R$ 15,00 por 3 minutos. Sem elas verem, dei R$ 60,00 e pedi para o cara do bar deixar a ducha ligada por 10 minutos.

O banheiro, nos fundos do bar, era minúsculo, tinha apenas dois metros quadrados, apenas o espaço do chuveiro. Eu disse então que teríamos de entrar todos juntos pois a ducha iria durar apenas três minutos para nós três, e tínhamos de ser rápidos para tirar toda a areia. Fiz um sinal para a Cris entrar, pisquei o olho e dei sinal para ela ficar nua e ela sacou na hora. Entramos então todos juntos, tranquei a porta e Cris já ficou nua debaixo da ducha, com seu corpo escultural, marca de biquíni, raspadinha, bumbum durinho e empinado, biquinhos dos seios completamente durinhos.

A pequena Bia parece ter ficado admirada com o corpo da Cris. Bia ainda estava de biquíni e quando chegou sua hora de entrar debaixo da ducha, Cris lhe disse para tirar a roupa e não se importar com minha presença.

Para aumentar ainda mais a temperatura, também tirei a sunga, e fiquei de pau duro bem na frente das duas, que começaram a rir. Bia deu um pequeno gritinho e disse: Ai meus Deus..!!!!
Perguntei então para Bia: - Poxa Bia, nunca viu um homem pelado não??? Você já tem 18 anos. Não esquenta, não vou te agarrar, tire a roupa também e seja rápida pois a ducha vai fechar rápido.
Percebi que Bia ficou admirada comigo, fixando seu olhar em todo o meu corpo. Além de atlético sou dotado, com uma rola próxima de 20 cm, grossa e bem desenhada.

Bia tirou seu biquíni e eu vi seu maravilhoso corpo... perfeito, assim como a Cris, também estava raspadinha, apenas com um pequeno tufo em cima. Ao se lavar passou sua mãozinha na buceta, deixando seus grandes lábios para fora ao mesmo tempo que me fitava com os olhos. Cris, bem provocativa, e dando muitas risadas resolveu abusar: Pegou o sabonete, fez bastante espuma nas mãos e pegou em minha rola, me ensaboando e simulando uma punheta. Cris dava sonoras gargalhadas dizendo que precisava tirar a areia e deixar a rola bem limpinha.

Bia, apenas olhava e também ria muito. De repente os 10 minutos já haviam terminado e a ducha se fechou acabando a brincadeira. Nos enxugamos, demorei em me trocar, fiquei bastante tempo pelado na frente de Bia, provoquei ela dando mordidas nos seios de Cris.

Alguém bateu na porta da ducha, precisávamos sair. Coloquei uma nova cueca, também branca e transparente, me amarrei em uma toalha. As meninas colocaram apenas calcinhas e um vestido colorido, deixando mostrar os biquinhos de seus seios, todos durinhos.

Fomos então para um restaurante. Elas pediram sucos e eu uma cerveja e uma porção de fritas. Já tinha combinado tudo com Cris. As duas garotas estavam se dando muito bem. Orientei a Cris para tentar ser a mais íntima possível. De repente Cris falou baixinho na orelha da Bia: - Cuidado, pois quando ele bebe algumas cervejas fica de pica dura e muito tarado.

Evidentemente já tinha orientado a Cris para dizer isso. Bia soltou outra gargalhada ao ouvir isso da Cris. Mal sabia ela que era tudo um teatro. O importante é que tudo caminhava bem, meu plano para fodê-la estava caminhando conforme planejado.

Depois de mais de uma hora, resolvemos voltar à quitinete, pois além de estar ficando escuro, precisava dar início à segunda parte da sedução.

No caminho da quitinete, passamos num mercado para comprar algumas bebidas e tira gostos. Ao entrar no carro, minha bermuda estava úmida e resolvi tirá-la e me enrolar numa toalha seca. Chegando no prédio, descarregamos tudo e pegamos o elevador. Cris então já recomeçou o teatro da sacanagem e na frente de Bia, arrancou minha toalha, me deixando apenas de cueca. Bia mais uma vez fixou os olhos em minha rola e com um sorriso no rosto, definitivamente me olhou com um ar de putinha.

Dentro da quitinete, que é pequena, apenas quarto e cozinha conjugados mais banheiro, não havia como ninguém ficar sozinho, praticamente estávamos todos num só cômodo. Conforme dito antes, Cris já estava orientada a me provocar e envolver a Bia num jogo de sedução.
Dei um sinal para a Cris, que disse para Bia: Vamos ficar à vontade, pois tá um puta calor. Realmente estava muito quente, e ela ficou apenas com sua mini-calcinha, um tanga muito provocante, deixando seus apetitosos seios livres. Bia parece ter sacado o clima e decidiu se entregar. Vestidinho no chão, estava ela só com sua calcinha.

A partir desse momento não teve mais jeito: O Tesão tomou conta de todo mundo, inundou a quitinete. Deitei na cama e dei sinal para a Cris começar a sacanagem.
Ela veio por cima de mim e sem cerimônia tirou minha cueca com os dentes, encheu sua mão e começou uma bela punheta, bem vagarosa. Bia com seu riso de puta e demonstrando muita excitação deitou ao meu lado, colocando seus seios em minha boca.

Puta que pariu... que delícia...!!!!

Ao levar a mão até a buceta de Bia me assustei, ela estava completamente ensopada de gozo, encharcada. Seu gozo escorria pela perna. Cris começou a acariciá-la, deixando minha pica livre para Bia. Que boca, que língua, ligeira, molhada, começou a babar no meu saco e em toda a rola, que parecia querer explodir.

Bia não perdeu tempo, sentou em cima... estava tão gozada, tão molhada que minha rola, apesar de grossa entrou completamente, até o talo. Em minha mão direita tinha a buceta também bem quente e molhada de Cris, e na mão esquerda, segurava a bundinha de Bia, já buscando seu cuzinho. Aproveitei que seu gozo era farto e lambuzei sua bunda, seu rego e com a ponta do dedo comecei a penetrar aquele cuzinho rosa.

As duas começaram a se beijar, quando pedi para Bia parar de cavalgar, sob risco de eu ter um grande gozo ali mesmo. Coloquei ela de quatro, com muito cuidado, depois de já ter colocado dois dedos em seu cuzinho, comecei a enfiar a rola. A putinha não ficou com medo, pelo contrário, pediu para ir forçando até entrar... e foi entrando, aos poucos e depois de alguns instantes estava socando forte e rápido em seu doce cuzinho.

Não agüentei... aquele cuzinho apertado, tão gostoso, e com a Cris me chupando o pescoço, acabei gozando como um cavalo, dentro do cuzinho da Bia.
A partir dali, a noite foi deliciosa, explorei as duas putinhas de todas as formas, e elas também se exploravam, com algumas pausas para duchas, lanches e bebidas, meu quarto gozo, já com pouca porra, foi na boca de Cris.

No sábado, procurei me preservar, mas repeti a performance à noite.

No domingo, já tarde da noite, deixei a Cris na entrada da favelinha e levei Bia para casa, deixando-a nos braços de sua mãe, que já estava preocupada pelo atraso. Ao me despedir, ela disse baixinho em meu ouvido: “Adorei seu idiota, pois eu já sabia desde o início, sabia de tudo, percebi que você queria me comer desde que me olhou no restaurante ao lado de minha mãe”.

Dia 252016, será feriado municipal em São Paulo, vai cair numa segunda-feira. Já está tudo certo... Vou levar a Cris para fazer uma faxina na quitinete e a Bia já conseguiu o OK de sua mãe para ir junto.

Antes disso, prometo outros contos, pois lembranças não me faltam, aliás, cada dia vivo uma aventura.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.