"Os mais excitantes contos eróticos"


MInha esposa e o pintor


autor: tedeixarlouco
publicado em: 11/05/17
categoria: hetero
leituras: 3685
ver notas
Fonte: maior > menor


Em um dia quente de verão, ver minha esposa com o pintor, a beira da piscina, foi algo tesudo demais.

Era um sábado, e o pintor, que deveria ter terminado o serviço na sexta, ainda estava lá em casa. É um saco, trabalhar a semana inteira e, quando temos um final de semana ensolarado, não podermos curtir nosso lazer.

No sábado a tarde, o calor era escaldante. E o cara estava pintando umas grades, perto de nossa piscina, nos fundos de nossa casa. Camila, minha esposa, queria usar a piscina, mas estava incomodada com a presença do pintor, um rapaz, de uns 20 anos.

Falei para ela ir, que não se importasse com o cara. Ainda um pouco contrariada, ela resolver ir para a piscina.

Camila é morena clara, gostosa, bunduda, com 1,65m, 60kg, coxuda e com seios pequenos, mas bem durinhos. Colocou um bikini e foi para a piscina. Fiquei no andar de cima, observando tudo. Quando ela chegou na piscina, o pintor não disfarçou uma conferida naquele corpão. Ela entrou na água, ficou um pouco, e depois se deitou com a bunda para cima, para pegar uma cor.

Da janela do andar de cima, atrás da cortina, eu via tudo. O pintor, já com a bermuda estufada, olhando mais para a bunda de Camila, do que para as grades que ele pintava,
Como ela estava de bruços, e não tinha uma visão direta dele, ele aproveitava. Em alguns momentos, vi ele apertar a própria pica, por sobre a bermuda.

Resolvi fazer algo, bem louco... Fui até a piscina, e disse para Camila que eu iria dar uma saída, comprar algo. Tirei o carro da garagem, e estacionei no outro lado da rua, e voltei silenciosamente, para meu observatório. Se sentindo seguro, o pintor praticamente parou de trabalhar. Com uma mão no pincel, e a outra na pica, ele ficava se massageando, olhando para Camila.

Inesperadamente, ela se virou, pegando ele, com a mão na pica, impossível de disfarçar. Ela olhou a bermuda dele, estava realmente estufada, a pica dele, devia estar muito dura. Minha puta se excitou, e não disfarçou o interesse.

De frente para ele, ela deu aquela ajeitadinha na parte de cima do bikini, conferindo o brozeado. Só que, totalmente sem cuidado,ela puxou a parte de cima, ao ponto de deixar o biquinho do seios, exposto. E conferiu a reação do pintor.

O rapaz, tinha pouco mais de 1,70, braços fortes, e pernas grossas, como ela gosta.
Eu prendia a respiração, imaginando o que poderia rolar... Então, ela aplicou o golpe mais manjado do mundo: "Pode passar óleo nas minhas costas ?"

Ele largou tudo, e chegou perto dela. E se sentou em uma cadeira de praia, e passou o tubo para ele. Ele começou a espalhar, a a bermuda dele, se estufou ainda mais.
Aproveitando o momento, ele foi chegando mais perto dela, e a pica dele, tocou o braço dela. Ela não disse nada, e ele se aproximou mais, roçando a pica, já sem discrição nenhuma.

Foi então que ela se virou, fixando os olhos no volume que ele guardava na bermuda. Ela levou a mão até a pica dele, sentindo o volume. Ele jogou o tudo longe, e abriu a bermuda, de onde tirou uma pica grossa, cheia de veias, totalmente dura, já babando de tesão.

Camila segurou a pica dele. Ficou punhetando ele. Ele se livrou do resto da roupa, e ela começou um boquete. Se ajeitou, ficando mais de lado, e abriu as pernas. O garoto, enquanto recebia uma deliciosa mamada, ficou acariciando a buceta de Camila. Como ela estava muito excitada, ficou muito molhadinha, lubrificada, e ele enfiou dois dedos, fazendo ela gemer.

Observando tudo, eu batia uma silenciosa punheta.

Ela engolia a pica dele, que ficava melada com a saliva dela. Ela ficava lambendo a cabeça, enquanto batia punheta. Mexendo os quadris, ela aproveitava os dedos grossos dele, brincando dentro da buceta dela.

Quando ela sentiu que ia gozar, botou a pica dele na boca, e chupou com vontade. Abafou os gemidos de gozo, com a pica dele. Enquanto ela gozava, arqueando os quadris, sentiu jatos de porra saindo daquele pica grossa, entrando em sua boca e garganta.

Sem conseguir engolir tudo, ela deixou um pouco escorrer pelo queixo e seios.
Vendo aquilo, gozei também, deliciado com tudo.

Depois, se levantaram e foram para a ducha. Ele ficou se esfregando nela, querendo mais. Mas ela disse que não, pois sem camisinha, ele não iria meter. Ele ficou insistindo e, neste momento, sai de casa, peguei o carro e coloquei na garagem, novamente.

Assustados, eles voltaram a se vestir. Chamei Camila, para dentro de casa, e a levei para o quarto. Beijei ela, sentindo o gosto de porra, de outro macho: "Eu vi tudo.. !"
A safada ficou excitada, novamente e me xingou, já me jogando na cama, e subindo em minha pica. Fodi aquele buceta, ainda molhadinha, com muito tesão, pensando na cena dela, com o pintor.

Imitando ele, também gozei na boca e rosto de Camila.

Aguardo suas mensagens..



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.