"Os mais excitantes contos eróticos"


Uma Vadia Tesuda Demais


autor: MarcosDotado
publicado em: 29/03/17
categoria: hetero
leituras: 2588
ver notas
Fonte: maior > menor



A história que vou contar aconteceu há alguns anos. Por questão de privacidade apenas alterei o nome das pessoas relatadas. Meu nome é Renato, sou branco, alto (1,95 100kg) e fui jogador de basquete na minha juventude. Uma vez meu time foi jogar em São Paulo e, após o campeonato, ficamos eu, Jonathan e Flávio (outros dois do time), na rodoviária do Tietê, esperando o ônibus de retorno, que só partiria às 8:00h. Como não tínhamos nada para fazer, resolvemos comer numa lanchonete dali mesmo ... quando estávamos na mesa, de repente percebi que uma baixinha loira - devia ter uns 1,65 estilo "mignon" e peitudinha - nos fitava.

Me espantei e comentei com meus colegas ... ela era ninfetinha, rostinho de anjo, vestia calça jeans apertada e uma espécie de "top" branco na parte de cima. Como gosto de pés já fui dando logo um molhada nos dela ... eram lindos, branquinhos, e número aproximado 35, cabiam perfeitamente na sandalhinha de salto preta que usava.
A garota estava sozinha sentada e parecia esperando alguém. Terminamos de comer e, como ela não parava de nos olhar, resolvi abordá-la.

Ela sorriu e disse que 'nos vira jogar' ... aí o papo rolou solto e, quando percebemos, estávamos nós quatro no apartamento dela.

Ela comentou que era criada pela avó mas que a senhora tinha ido viajar. Quando chegamos a menina pareceu 'doida' ... foi logo passando a mão na calça do Jonathan - um negro de 1,98 - e na do Flávio - mulato que tinha uns 1,85.
Ela simplesmente tirou o pau dos dois para fora e começou a abocanhá-los como se fosse o último dia de sua vidinha ... o engraçado é que demorou para cair minha ficha...afinal era muito 'bom para ser verdade' ... até que ela me chamou para a farra.

Eu já tinha visto putinhas baixinhas gostosinhas ... mas aquela ninfeta era demais... tinha a bucetinha, o peitinho e o cuzinho depiladinhos e rosinhas mais delicados que já tinha visto.

Fomos logo arrancando a roupa e ela pediu para deixarmos nossas cuecas no armário dela de recordação ... começei a rir até que ela se postou de quatro como uma puta ... fiquei louco só de ver aquela solinha rosa e a bunda empinadinha ... a gente revezou em chupá-la ... ela cheirava a leite ... meu pau já latejava de dor quando o negrão e o mulato começaram a bombar nela sem dó na boca dela. Saquei meu pau e ela segurou forte.

Ela revezava em chupar nós três, freneticamente, querendo sentir o gosto de nossas picas ... até que disse que queria que comêçemos seu cu... (direto sem boceta ela deve estar brincando indaguei comigo) abriu uma gaveta velha e pegou um KY ... dentro tinha um consolo de borracha ... provavelmente o único companheiro daquela adolescente sacana desde que descobriu seu corpo ... dividimos o KY ...
Jhonatan foi o primeiro tinha uma rola de uns 22cm para cima e de dar inveja ... quase sem pelos ... o cara simplesmente enfiou tudo de uma vez ... a guria deu um hurro de dor e começou a chorar ... na hora eu pensei que a menina tinha desistido da idéia mas ela pediu para ele continuar ... lembro de que ele metia sem dó, revelando um lado meio agressivo que a deixava com muito tesão ... enquanto isso eu e o Flávio botávamos nossos paus na boca dela de novo para tentar distraí-la e acostumá-la ... ela mamava como bezerrinha ... começei a perguntar em voz alta se ela queria leite e ela murmurava que 'sim' ... até que Jhonatam começou a gemer no ouvido dela, subindo em cima como cavalo, e dizendo que ela era a 'nossa puta' ... e até que encheu o rabo dela de porra quente, com a língua na orelha dela ... vi que tirou o pau meia bomba ... estava melado com um pouco de sangue fui ver o estrago e segurei a bunda dela para o Flávio começar o serviço ... o cudela tava aberto e já meio inchado ... mas era muito tesão ...
o Flávio deu um cuspe no pau e começou a penetrá-la ... ela até rebolou para ajudar ... o mulato então subiu em cima e pediu para lamberem a buceta dela ... não me fiz de rogado e fui por baixo chupando o grelinho da menina enquanto Jonathan (meio foda isso) "forçou" a cabeça da guria para chupar o peu dele ... no início ela relutou mas depois mamou muito ... logo começou a se contorcer indo para trás e gemendo parecia que estava gostando mais do pau do Flávio ou já estava mais excitada ... e eu ali segunrando a bunda dela e chupando o grelinho ... tinha gosto de suor com porra mas nem liguei porque a bucetinha dela era uma visão maravilhosa ... podia ver o saco do amigo batendo em cima da buceta e ela se contorcendo toda como uma vagabunda profissional ... até que ele também gozou ... quando tirou o pau a porra escorreu do cupara a boceta e abri bem a bunda dela para ver aquilo ... um pouco da porra entrou na buceta e outro tanto escorreu pela parte de trás das coxinhas da menina ... a vadiazinha já tava meio sonolenta mas agora era a minha vez ... chupei o pézinho dela todinho e fui subindo dando beijos na bunda e ela gemia ... Flávio já punhetava para poder bombar de novo e Jonathan enfiava o pau na goela da 'nossa putinha'.
Enquanto via a boca dela arregaçar com a rola grossa do Jonathan começei a foder aquele cuzinho melado todo cheio de porra ... meu pau de 18cm entrou deslizando e começei a meter com tesão batendo as bolas na bunda dela ... lá pelas tantas Flávio veio por baixo dela e começou a meter na buceta ... a pele entre o cue a buceta ficava esticada com as estocadas e começou a sair um pouco de sangue do cu ... ninguém ligou e continuamos metendo quando o Flávio estava para gozar falei para ele que devíamos gozar na boca da vadia ... prontamente levantamos e ela institivamente se colocou de joelhos, ajeitou o cabelo e abriu a boca com a língua para fora ... eu já não aguentava mais e esporrei feito louco ... nunca gozei tanto os jatos saíam grossos na boca no pescoço nos peitinhos e nos olhos dela ...

Flávio e Jonathan gozaram na mesma hora esporrando na boca e na testa ... a cara e a bunda dela ficaram estragadas de tanta porra.

Ficamos ali todos nús deitados passando a mão nela, que se aconchegou no meio e dormimos. Depois ficamos lá naquele muquifo de apartamento mais uma semana, dando desculpas de que o campeonato estava rolando... acordávamos metendo e dormíamos metendo em 'nossa nova putinha'.
Por um bom tempo seguimos com a suruba quando tínhamos jogo na capital.
Depois cada um foi para seu lado e ela provavelmente se tornou a melhor esposa de corno que alguém poderia ter.
Ou seja ela casou com Jonathans pois ele disse que nunca uma mulher alguma já deu tanto tesão a ele como ela. Vez ou outra chama os amigos para dividir a putinha dele. Eu sempre participo da suruba com eles mas eu gosto mesmo é quando fazemos menage e sinto a vadiazinha gozar muito com meu pau na buceta dela enquanto o marido arregaça o rabo é gozo de não acabar mais.
Que delicia são nossas farras.


Obrigado por ler e comentar.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.