"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Casal paulista – Férias - 1o dia.


autor: Publicitario45
publicado em: 26/07/16
categoria: hetero
leituras: 2866
ver notas
Fonte: maior > menor


Desde quando comecei a escrever algumas pessoas começaram a entrar em contato comigo. A maioria é composta por mulheres casadas que se identificaram com os contos, algumas noivinhas em busca de aventuras e casais sedentos atrás de uma boa farra pra tirar o relacionamento da rotina.

Mas desta vez aconteceu algo inédito. Um casal de São Paulo vinha sempre lendo e comentando meus contos até que a esposa me mandou um e-mail se apresentando e pedindo minha ajuda no sentido de ajuda-los a alugar um apartamento de temporada aqui na minha cidade. Como todos já devem saber eu moro em Vila Velha, Espirito Santo.

Passamos um mês conversando pelo Skype e Whatsapp. O casal em questão é formado por Amanda e Tiago, ambos com 35 anos, casados e empresário no ramo de beleza. Eles queriam passar uns dias aqui mas não queriam ficar em hotel e sim alugar um apartamento perto da praia e eu comecei a mandar algumas fotos de apartamentos decorados para que eles avaliassem.

Apartamento escolhido começamos a falar da vida noturna e eu rapidamente me prontifiquei a mostra-los o que aqui tem de bom, tenho uma roda grande de amigos e juntos poderíamos nos divertir.
Amanda é loira, 1,60 de altura, corpinho gostoso moldado a base de yoga e natação. Cabelos cacheados, olhos verdes, boca bem desenhada, cintura fina, bunda arrebitada seios apetitosos. Nunca teve filho e por isso o corpo está super em dia.

Tiago é mais relaxadão, cervejeiro, barriguinha saliente, alto, pele clara, cabelos escuros mas gente boa. Tem uma conversa boa, um senso de humor incrível e sempre elogiou meus contos, me chamando de comedor e coisas do tipo.

Quando Amanda estava sozinha no Skype ela se soltava um pouco mais, perguntava dos contos, das pessoas e dizia que sempre quis transar com outro e o marido. Nessas horas ela sempre usava short e blusa mais decotada. Dava para perceber que se o Tiago topasse a farra seria certa.

Chegou o ferido prolongado e eles embarcaram em São Paulo pela manha. Como já tínhamos uma afinidade grande, me ofereci a busca-los no aeroporto e traze-los até o apartamento que fica no mesmo bairro que o meu. Tiago e Amanda me agradeceram e as 10h o avião pousou em Vitória.

Logo identifiquei os dois. Amanda com seus 1,60 usava um vestido de tecido fino que marcava todas as curvas do seu belo corpo. Usava uma sandália de salto alto, óculos escuros e os cabelos cacheados soltos.

Tiago estava tranquilo, camisa, bermuda e tênis, típico turista paulista em beira de praia.

Nos aproximamos e cumprimentei primeiramente o Tiago e em seguida três beijinhos em Amanda que exalava um cheiro bom mostrando ter muito bom gosto para perfumes, roupas e sapatos.

Falamos rapidamente e seguimos para o estacionamento. Chegamos lá eu e Tiago fomos colocar as malas no porta malas enquanto Amanda já entru no carro para se refrescar no ar condicionado. Pra minha alegria e espanto, ela foi logo se sentando no banco da frente, coisa que parece não ter incomodado nosso amigo Tiago.

Entramos no carro e retomamos a conversa enquanto ia em sentido a Vila Velha. Para mostrar as belezas de Vitoria, escolhi ir pela praia e Amanda passou e elogiar as pessoas e comentar a beleza das mulheres daqui. Tiago também comentou e disse que iria cair na farra sozinho, pois nunca tinha visto tanta mulher bonita em tão pouco tempo.

Eu segui dirigindo e observando as pernas de Amanda. Pernas grossas bem torneadas e com pelinhos loirinhos. Na medida que ela se movimentava o vestido subia, as pernas apareciam ainda mais.

Amanda parecia perceber meus olhares e deixou claro que estava gostando da situação.

Chegamos no prédio que ficava de frente pro mar da Praia da Costa. Entramos e fomos ao décimo andar. Chegando lá sentamos um pouco pra conversar enquanto Amanda ia desfazendo as malas. Tiago então pediu que ela me fizesse companhia, pois ele estava morrendo de calor e queria tomar um bom banho.

Amanda sentou-se do meu lado e passamos a conversar. Sugerir irmos para a varanda para ela ver a vista e ela concordou. Já na varanda ela me olhou fixamente e disse que não estava mais aguentando de tesão. Pronto, ela mal acabou de terminar a frase e já estávamos nos beijando. Sua língua era atrevida, provocou-me o máximo possível. Seu corpo colou junto ao meu e começamos a nos beijar ali mesmo na varanda.

Saímos da beirada e sentamos numa chaise e as mãos dela começou a massagear meu pau enquanto as minhas percorriam pelo seu corpo por cima do tecido. Amanda me baijava, me alisava, apertava meu pau por cima do tecido. Abriu o zíper da bermuda e caiu de boca na minha rola me deixando louco, deu umas duas lambidas, uma deliciosa chupada e parou.

- Chega. Sou casada, não posso continuar.

- Então é melhor eu ir embora, porque se eu ficar aqui vou te comer inteira.

Amanda voltou a me beijar com volúpia mas logo caiu em si.

Nos despedimos enquanto Tiago ainda estava no banho. Minutos depois eu já estava na minha casa, de pau duro, doido de vontade de comer aquela mulher que quase me levou a loucura. A solução foi tomar um banho, bater uma punheta e dar uma bela descansada.

No final do dia uma mensagem no telefone, era Thiago querendo saber se eu queria os acompanhar, pois eles iriam numa pizzaria que ficava de frente pro mar e depois iriam caminhar no calçadão. Eu agradeci, mas disse que tinha um compromisso.

Meia hora depois outra mensagem. Desta vez de Amanda pedindo desculpas pelo ocorrido de manhã. Ela dizia que queria muito mas não tinha coragem de trair o marido. Ela reforçou o convite da pizzaria mas eu novamente recusei. Não iria conseguir ficar de frente pra aquela mulher que tinha me chupado pela manha e agir como se nada tivesse acontecido.

A noite resolvi dar uma pequena corrida no calçadão e quando já retornava do percurso ouvi uma voz me chamando, olhei era Tiago de mãos dadas com Amanda. Parei a corrida e caminhei até ele. Apenas falamos pois estava bem suado. Tiago mais uma vez me convidou para um vinho, desta vez na varanda do apartamento que eles estavam. Disse que daquele jeito não tinha coo ir, mas ele insistiu e disse que me esperaria i em casa tomar um banho e voltar. Meio sem opção, acabei aceitando o convite e fui.

Chegando em casa o celular vibrou. Era uma mensagem de Amanda.

- Voce suado fica ainda mais delicioso. Por favor não venha, não irei resistir.

Tomei um banho, borrifei o Azzarro em pontos estratégicos, coloquei uma camisa branca, uma bermuda e fui. Amanda abriu a porta, estava linda dentro de um vestido azul. Seus olhos brilhavam, sua boca estava perfeita. Nos falamos e eu fui direto pra varanda. Chegando lá encontrei Tiago sentando na Chaise. Estava bebendo cerveja, meio alto, falando muito. Pediu Amanda que trouxesse uma garrafa de vinho, ela disse que não seria uma boa ideia misturar cerveja e vinho e ele apenas respondeu que estava de férias.

Amanda então trouxe a garrafa e eu me prontifiquei a abri-la. Servi a taça dele, depois a dela e a minha. Brindamos e começamos a conversar. Não demorou muito pra Tiago dar sinais de cansaço. Tinha viajado, ido a praia, tomado cerveja e agora vinho. No meio da conversa ele pediu desculpas e disse que precisava dormir.

Também me levantei e disse que iria embora mas Amanda disse que não iria beber aquela garrafa sozinha. Tiago então disse que eu deveria acompanha-la, afinal de contas já éramos quase amigos.
Tiago se foi e Amanda voltou minutos depois. Eu estava encostado na varanda ouvindo o barulho do mar quando ela voltou com uma taça na mão.

- Ele dormiu. Agora temos uma garrafa de vinho, um mar lindo à nossa frente e o meu tesão que não cessa. Antes que ela terminasse a frase a puxei pela cintura, trouxe para junto do meu corpo e voltamos a nos beijar freneticamente. Amanda acariciava meu rosto, beijava minha boca enquanto minhas mãos deslizavam por seu corpo.

Lentamente fui subindo o tecido do vestido e me deparei com um corpo totalmente sem nada por baixo. Amanda suspirou, colocou uma das pernas em cima de um banquinho deixando sua deliciosa boceta à minha disposição. Ao toca-la senti como estava molhada, quente e totalmente depilada. Passei a dedilhar seu clitóris e massagear sua vulva. Suas pernas tremiam, sua boca continuava sugando a minha e enfim ela se jogou na chaise abrindo as pernas me convidando a cair de boca no seu sexo.

Beijei seus pés, retirei as sandálias e chupei cada um dos seus dedos. Mordisquei suas pernas em direção a virilha, passei pela barriga e abocanhei um dos seios. Os bicos estava rijos, sua pele arrepiava a cada toque dos meus lábios, suas pernas se abriam como se me chamasse para penetra-la. Mas eu ainda queria sentir mais do seu gosto, queria sentir seu mel escorrer pela minha boca e cai de boca na sua linda boceta. Chupei, mordi, lambi. Minha lingua fazia movimentos circularem em torno do grelo, era como se eu estivesse desenhando com a pota da língua. Não demorou e veio o primeiro gozo, forte, intenso, com espasmos pelo corpo todo. Seu mel que escorria era denso tinha um cheiro forte e um sabor acentuado.

Suas mãos puxavam meus cabelos forçando a minha boca fazer mais pressão no seu grelo e rapidamente veio outro orgasmo tão intenso quanto o primeiro.

- Me dá seu pau, me fode, me come... eu quero se sua puta agora.

Me levantei e tirei a bermuda e abri a camisa. Puxei Amanda pelos cabelos e com meu pau na mão bati na sua cara. Mandei que ela cheirasse meu pau, meu saco, porém sem pôr a boca em mim. Ela me arranhava as pernas e tentava me chupar mas com as mãos eu puxava seus cabelos controlando os movimentos da sua cabeça.

- Implora...

- O que?

- Implora pra chupar meu pau de novo.

- Por favor, me dá essa pica, eu quero sentir você dentro da minha boca

Ai eu soltei seus cabelos e Amanda parecia faminta. Caiu de boca no meu pau chupando com vontade, passava a língua em torno da cabeça, mordia o meu pau, massageava meu saco, chupava e passava a língua em cada centímetro do meu corpo.

- Senta ai...

Me sentei e ela veio por cima. Posicionou a cabeça do meu pau na porta da sua boceta e deixou o corpo descer. O pau simplesmente deslizou pra dentro dela. Amanda se colocou a rebolar, seu corpo se remexia em movimentos alternados, circulares e cadenciados. Ela subia, descia, mordia e lambia minha orelhas. Minhas mãos massageavam seu cuzinho e em seguida seu corpo tremeu, era outro orgasmo.

Ela se levantou com o corpo ainda bambeando, entre suas pernas escorria seu mel, me ajoelhei e tratei de limpar cada gotinha de gozo dela que teimava em escorrer.

Girei seu corpo e ela apoiou na beira da varanda, abriu s pernas e eu comecei a come-la por trás. As esticada iam aumentando na medida que eu sentia meu corpo esquentar, segurei seu corpo pelas ancas e acelerei o ritmo e ouvi quando ela pediu pra eu encher sua boceta de porra. Alguns instantes e os primeiros jatos esguicharam dentro do seu sexo.

Nossa respiração foi desacelerando aos poucos, deitamos na chaise e ficamos abraçado por um tempo até lembrarmos que seu marido dormia no quarto ao lado.

Nos despedimos e eu fui embora.

No domingo pela manhã fui acordado pelo sinal de mensagem no telefone, era Tiago.

- E ai, minha esposa cuidou bem de você? Nos acompanha numa praia? O dia está lindo.

Espero que tenham gostado. Meus amigos passaram uma semana aqui em Vila Velha e o que não falta é história pra contar.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.