"Os mais excitantes contos eróticos"


Meu pai comeu minha irmãzinha


autor: Mauricio22
publicado em: 10/12/15
categoria: incesto
leituras: 105822
ver notas
Fonte: maior > menor


Vou contar como começou o relacionamento com a minha irmã. Eu tinha 15 anos de idade quando descobri que meu pai comia minha irmãzinha de 12 anos, que eu vou dar o pseudônimo de Aninha. Ela era uma menina bonita já tinha umas perninhas grossinha e já despontava um bumbum empinado, era branquinha e tinha um cabelo com cachos longos, tamanho médio que passava dos ombros. E eu era um cara normal branco, magro com rosto com espinhas e tinha 1,65 altura. Já pegava algumas garotas do colégio para tirar uns sarrinhos e tinha uma vizinha que era novinha e bem safada que me chupava. Já era um cara desenrolado e estava achando uma coisa estranha lá em casa. Que era a relação de minha irmãzinha com meu pai. Minha mãe trabalhava como enfermeira e pulava de plantão em plantão para ajudar nas despesas de casa e meu pai era caminhoneiro e trabalhava fazendo entregas na cidade, e quase toda tarde ele passava em casa e isso começou a me intrigar. Nas tarde em que meu pai estava em casa ele se trancava com Aninha no quarto, e quando eu percebi essa armação fiquei desconfiado. Nesses horários eu estava estudando, porém quando eu não ia para escola e ele estava em casa se trancavam do mesmo jeito. Foi então que eu tive a curiosidade de tentar escutar o que acontecia no quarto. Não ouvi muita coisa, só alguns gemidos e conversas e risos. Fiquei pensando será que meu pai estava comendo Aninha? Seria uma coisa horrível, há primeira vista para mim, naquele momento não consegui enxergar a oportunidade que teria. Eu pensei logo que ele está obrigando ela a fazer isso, mas para acusar tinha que ter a certeza, mas não tinha como descobrir a não ser que eu tentasse fazer com que ela falar. Então um dia depois dela sair do quarto de papai com o cabelo molhado e ele voltar ao trabalho eu encostei ela na parede e perguntei na grande. O que acontecia dentro do quarto quando ela e papai se trancava? Aí veio a resposta inusitada com a maior cara de pau, nada que seja do meu interesse. Eu disse: Como não? Ele tá fazendo alguma coisa forçada com você? Ela respondeu: Não tudo que acontece é o que nós queremos. Eu olhei bem para o rosto dela e não vi mais aquela criança, era uma mulher que gostava do que fazia. Me calei e puxei o carro. Fiquei pensando, se papai come essa putinha, eu também posso comer. E comecei a investir, trazer os doces que ela gostava e dar muitos cheiros nelas, pegar ela pela cintura e levantar os cabelos para dar beijos na nuca dela para fazer ela se arrepiar. Quando largava do colégio ia direto para casa para ficar agarrando ela e cheirando. Eu estava num tesão da porra, todo dia batia um punheta pensando nela, ela virou meu objetivo maior “comer aquela bucetinha novinha”. Mas um dia a noite após todos dormirem fiquei na sala assistindo tv, quando ela chegou e sentou ao meu lado e perguntou se o filme era bom. Eu disse sim, vamos assistir juntinhos. Ela disse: vamos. Então eu abracei e deitei no sofá e coloquei-a na minha frente e fui descendo a mão para bucetinha dela e encostando o pau duro na bunda dela, no início ela encolheu as perna evitar o toque, então eu comecei de leve alisar as pernas dela e ela foi relaxando baixando as pernas e comecei a pegar na bucetinha dela. Tudo era bem de leve por cima do shortinho dela, como ela não reclamou nada eu fui aumentando tentando botar a mão por baixo do shortinho dela, peguei na bucetinha só com calcinha, senti os poucos pelinhos que tinha. A essas alturas o meu pau já estava quase estourando o meu short, quando eu consegui botar a mão por baixo da calcinha dela e senti pela primeira vez a sua bucetinha. Quando comecei a enfiar o dedo na buceta dela ela puxou minha mão e disse tá na hora da gente deitar. Eu quase ficava doido, e disse a ela: O filme tá muito bom vamos terminar de assistir. Ela disse mas tá ficando perigoso. Eu não perdi a oportunidade e disse: Então vamos para o meu quarto? Ela respondeu: Outro dia eu vou. Deu um sorriso e foi embora, fui bater uma punheta pensando nela e fiquei com a certeza que iria come-la, era só uma questão de tempo. Quem gostou e quer que eu conte o resto da história é só comentar. Que eu vou contar como foi que minha irmã virou minha putinha pessoal.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.