"Os mais excitantes contos eróticos"

 

RITUAL DE UM PRAZER A DOIS - O


autor: Savage
publicado em: 08/08/15
categoria: hetero
leituras: 9458
ver notas


Em uma viagem pela Amazônia com minha Deusa e um grupo de pesquisadores de uma empresa de cosméticos, conhecemos varias comunidades indígenas e as belezas naturais daquela região. Nosso trabalho era colher amostras de ervas, raízes e óleos para criação de produtos ligados a natureza e a ecologia. Em uma das comunidades conhecemos uma nativa chamada Iacy, morena bronzeada pelo sol, filha de branco com índio, sua beleza típica da região encantava a todos, corpo maravilhoso e sorriso encantador, tinha cerca de 25 anos, atualmente casada com um empresário de um hotel de selva, ela recepcionava a todos com a maior hospitalidade possível. De imediato chamou atenção do grupo, porem para minha sorte, ficou logo amiga de minha amada. Durante o dia viajávamos as comunidades próximas e conversávamos com os moradores na maioria descendentes de índios, e a noite ficávamos no hotel fazendo relatórios e guardando material. Iacy sempre atenciosa perguntava se o serviço do hotel estava a contento e distribuía sorrisos. Uma noite sentados na varanda do hotel Iacy veio conversar comigo e minha amada, era uma noite de lua cheia e o céu estava lindo como somente naquele lugar existe, uma brisa fria batia e nos bebíamos um licor feito de uma fruta local, que aquecia deliciosamente.
Iacy nos revelou que nascera em uma comunidade ali próxima e que casara muito jovem com o empresário que construirá aquele hotel, o qual geralmente viajava a negócios, ela não tinha filhos e adorava mostrar as belezas de sua região, pois crescera ali. Entre um drinque e outro minha amada cruzava olhares com a jovem morena, percebi que ambas se admiravam, porem fiquei acompanhando o desenrolar dos acontecimentos. Por volta de uma da manha estávamos sozinhos naquela varanda e Iacy prometeu contar um segredo a minha amada. Segundo ela teria uma loção feita de ervas, raízes e óleos naturais que encantava as pessoas, elas ficavam mais alegres e excitantes. Aquilo despertara os nossos instintos, minha amada fez aquela cara de sapeca que adoro ver. Perguntamos como poderíamos ter tal loção, e se realmente ela teria essa capacidade de mexer com as pessoas que sentissem o aroma. Iacy nos respondeu que iria testar em uma de suas camareiras naquela noite e que poderíamos presenciar tal feito, pediu para que fossemos para o quarto e aguardássemo-la, que logo em poucos minutos voltaria. Apesar de meio bêbados, fomos correndo e aguardamos logo em seguida Iacy entrou e ligou pelo interfone, pedindo a camareira Sandra para que subisse ao apto 201 para limpar uma ante-sala.
Nessa hora já estávamos mais que excitados com tudo aquilo, sorriamos feitos crianças, não acreditando naquela historia. Ela pediu para que ficássemos escondidos no quarto com ela, apenas observando. Em seguida retirou de entre seus seios um pequeno frasco, com um liquido escuro, jogou em cima da mesa da sala, a lado derramou refrigerante e outras besteiras para que a camareira limpasse. Passados uns 5 minutos a camareira Sandra tocou a campainha, fomos até a porta e pedimos que ela entrasse, voltamos ao quarto e ficamos junto com a Iacy observando escondidos. A camareira começou a limpar o chão e a cadeira e quando passou o pano pela mesa, sentiu o aroma, logo sentou como sentisse uma tontura, porem voltara a limpar, limpou tudo e antes de sair observou que estava sozinha na sala, trancou a porta e foi até a sacada, soltou o cabelo, parecia estar suada e cansada, abriu alguns botões da blusa e ficou ali se deliciando com a brisa. Eu e minha Deusa, apenas sorriamos, e Iacy também, quando voltava para sair, perto da mesa, a camareira parou e começou a se despir, do nada, estava ali, tirando a roupa, apenas de calcinha ela deita-se na mesa, se contorce, mordendo os lábios, passando as mãos pelos seios e apertando os bicos, era uma mulher bonita, cabelos longos, e corpo esbelto. Iacy sorri e nos confirma, estava fazendo efeito a loção, aquilo nos deixara mais excitados ainda. Sandra deitada naquela mesa se tocando como uma louca.

Iacy pede para nos entrarmos, e nos vamos devagar. Apesar de estarmos perto de Sandra ela não se controlava com os olhos fechados uma das mãos beliscava um dos seios e outro acariciava sua buceta por cima da calcinha, Yaci nos diz que ela estava em verdadeiro transe de excitação e que o efeito da loção iria perdurar por horas, que somente a adrenalina poderia inibir o efeito aos poucos.
Eu e minha Deusa achamos aquilo fascinante, um perfume afrodisíaco tão eficaz e rápido, e ainda por cima natural. Porem Iacy alertou que poderia apenas fornecer um pouco de seu uso, pois fora feita por um curandeiro de sua comunidade, a qual prometera não revelar seus ingredientes. Enquanto isso Sandra continuava a se masturbar agora como uma louca, com dois dedos e alternando as mãos, chupando os dedos com seu liquido, o que nos fez também entrar na brincadeira, minha Deusa se curvou sobre a mesa e começou a chupá-la, enquanto eu colocava meu penis em sua boca, Sandra gritou ao sentir a língua de minha amada entrar por sua buceta, feito isso abocanhou meu pau, sugando com força e fazendo barulho. Yaci sentou no sofá e ficou sorrindo com tudo aquilo. Não demorou muito ela também estava se masturbando no sofá.
Minha Deusa passava a língua pelo clitóris de Sandra que me sugava como se querendo arrancar meu pau, Iacy se levantou do sofá e se ajoelhou entre as pernas de minha Deusa, abriu seus lábios vaginais e provou o liquido que já escorria por entre suas pernas, que visão maravilhosa, três mulheres se deliciando de prazer e eu ali aproveitando. Sandra ao gozar na boca de minha amada, lhe abraça com as pernas quase a sufocando, retiro meu pau e enfio na buceta de Iacy que estava latejando por ser penetrada, percebo que Sandra se levanta ainda meio atordoada e sai para o banheiro, nisso minha amada se debruça sobre a mesa, e Iacy de quatro chupa-a, quando começo um vai e vem louco na sua buceta, seus gemidos são altos e acredito que todo o hotel escutou os prazeres daquela nativa deliciosa, minha Deusa percebe meu desejo e se levanta da mesa, deito Iacy na mesa e enfio em seu cuzinho, ela morde os lábios de prazeres e grita, agora é tarde começo um vai e vem, chamo minha deusa e peço que ela faça algo para calar Yaci, ela de imediato obedece, sobe na mesa e senta com sua buceta molhada sob a boca da morena, a qual aproveita e enfia a língua, agora são duas gritando e gemendo, aquele cuzinho apertado estava uma delicia, não agüento retiro e gozo nas costas de minha amada, ela enlouquece a sentir meu leite quente da gozada proporcionada por Iacy.
Minha deusa ao gozar beija Yaci como nunca eu vira. Ambas exaustas abraçadas sobre a mesa, eu me deito no sofá e as observo. Nisso Sandra sai correndo morrendo de vergonha, o perfume passara o efeito. Naquela noite dormimos juntos, eu minha amada e Iacy, no outro dia ao acordar não encontrei as duas, fui até o café e nada, perguntei a atendente e ela me falara que as duas saíram cedo para passear de canoa, por um lago ali próximo, segundo a mesma, o local era muito bonito ao raiar do dia. Chamei a moça para que me levasse até lá, pois também queria conhecer, ela me disse que seria o maior prazer, mas que eu aguardasse, pois ela ainda iria demorar uns 20 minutos. Sentei na recepção do hotel e fiquei pensando o que estava acontecendo naquela canoa, sabia que ambas tinham uma excitação nos olhares que trocavam, e isso me excitava também. A atendente estava de saída de seu turno, e chamava-se Sheila, como meu pensamento estava longe não percebi que a nativa estava me azarando.
Saímos remando pelo rio, com aquela paisagem amazônica linda, arvores submersas, aves voando e aquela calmaria típica do lugar, Sheila foi me dizendo que adorava passear pelo lago, e se banhar em uma praia ali próxima, aquilo já me despertou a curiosidade, e perguntei se ela sempre levava alguma roupa de banho, ela bem sapeca me perguntou para que?, Percebi que Sheila estava flertando comigo, mas não podia para de pensar nas duas aprontando naquele lago. Chegando a praia que Sheila indicara, chegamos próximo da margem e ela pulou da canoa, e gritou: Venha vamos tomar um banho!!, Sorrindo e correndo pela areia, aquela mulher conseguiu me fazer esquecer de minha amada por instantes, como criança, ela ia tirando cada peça de roupa e deixando ao longo da praia, cabelos soltos, aquela sapeca me excitara. Aceitei o convite entrei naquela aventura, Sheila tinha pele morena, cabelos compridos, rosto angelical, lábios carnudos e quadris estonteantes, tirei a roupa e entrei naquele rio de água escura, ela mergulhou e me agarrou pelas costas, eu já excitado, com água pela cintura, logo ela percebeu a cabeça do meu pênis saindo da água, ao me abraçar suas mãos foram logo em direção a ele, beijou minhas costas e falou que já tinha me visto no hotel e que me desejara porem nunca imaginaria que eu a desejasse também, ao tocar no meu pau foi inevitável, pulou no meu colo e ficamos naquele vai e vem delicioso, seus beijos eram cheios de desejo, como se fizesse muito tempo que aquela mulher não sentisse um homem penetrá-la, fiquei preso por uma tesoura feita por suas pernas, meu pau entrou todo, feito uma delicia, ela já estava molhada ao extremo,
nos beijamos e comecei naquele vai e vem delicioso, Sheila percebendo a solidão do local não resistiu, seus gritos faziam os pássaros nas arvores voarem, nunca havia imaginado fazer amor em um rio da Amazônia, muito louca essa experiência, ela montado no meu penis, e eu chupando seus seios, seu corpo todo arrepiado, de tesao e frio da água, o bico do seio estava muito excitado, durinho e gostoso de mordiscar, Sheila me abraça e fala baixinho no meu ouvido, ”vou gozar gostoso, não para, por favor,”, nesse instante ela desfalece se jogando para trás, a seguro e o maior grito ecoou pela floresta. Sheila chora como criança no meu peito, ela gozara deliciosamente, mas ainda duro não me comovo, e a viro de costas, levantando uma de suas pernas procuro seu cuzinho, ela diz “não”, mas agora é tarde, eu enfio o dedo e encontro aquela grutinha quente, arregaço-a e enfio e novamente um grito espanta as aves, agora seria de dor e prazer, ao sentir-me dentro ela se entrega, eu com as duas mãos nos seus seios, falo ao seu ouvido, “ agora eu vou gozar nessa bundinha”, acelero e ela me ajuda rebolando, que delicia, sinto meu penis se encher de gozo, e esporrar dentro daquela mulher deliciosa.
Uma loucura,deitamos na areia e nos abraçamos, o sol já era de 10:00hs da manhã, ela me revela que tudo havia sido uma mentira, que minha amada não saíra para o lago e sim com Iacy para uma comunidade aonde pretendiam almoçar, e pedira para ela não deixar ninguém me incomodar, pois dissera que eu tinha trabalhado até tarde, e que a única coisa que achou estranho foi Iacy ter deixado um lenço para que Sheila entrega-se a mim quando acorda-se, porem ela esquecera, e deixara no bolso de sua calça, mas que adorou o aroma, o que a fez imaginar como me raptar para aquela praia, disse que o perfume a fez sonhar com tudo aquilo e que como por um encanto realizou naquela manhã. Agora sim eu havia entendido o que Iacy tinha feito, testou novamente o perfume agora somente eu havia me deliciado. Pela tarde ambas voltaram da comunidade e ao chegar sorriram muito da peça que tinham aprontado comigo. Claro que para comemorar o sucesso do teste, tive que fazer amor com minha amada e Iacy, ela nunca admitira não gozar comigo no mesmo dia. rsss.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.