"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A universitária alternativa


autor: RicardoReis
publicado em: 20/08/17
categoria: hetero
leituras: 1295
ver notas


Eu estudo ciências sociais em uma federal então costumo conhecer¬¬ muitas mulheres interessantes. Quase toda semana tem alguma festinha no campus e a administração faz vista grossa para a bebida.

Gente jovem, cerveja, música underground. Estava conversando com alguns amigos quando uma garota se aproximou vendendo cachaça artesanal. Cabelo curto e roupas bem soltas que mostravam as formas do corpo ao mesmo tempo que davam um ar leve e casual a ela. Magra, seios que pareciam ser empinados por baixo do tecido leve, bunda que dava vontade de apertar, sorriso fácil e uma carinha de quem não reprime seus desejos.

Aceitei uma dose e perguntei o nome dela: Valentina. Ela se afastou e eu a observei pelo resto da noite. Mais tarde meus amigos saíram para fumar num canto e me aproximei dela. Perguntei sobre as cachaças. Ela aprendeu a fazer com uma intercambista de algum canto que não me importava.

Fiz elogios sutis. Aproximei o meu corpo. Ela correspondeu. Com um movimento fluido encostei ela contra a parede e a beijei. A língua dela não parecia ter pressa dentro da minha boca. Pressionei ela contra a parede e minha mão direita subiu por baixo do vestido e apertou a bunda dela.

- A minha república é aqui perto, o pessoal está todo na festa – ela disse colocando suavemente a mão entre minhas pernas.

Sorrio e beijo ela mais uma vez. A outra mão deslizado por cima do seio firme.

- Vamos.

Paredes pintadas, puffs espalhados pelo chão. Fomos nos agarrando a batendo pelas paredes até entrar no quarto dela.

Fui jogado na cama. Ela se deitou ao meu lado e deu um olhar sugestivo. Comecei a beijar seu pescoço e ombros. Uma mão se arriscou a tocar os seios e foi bem recebida. Ela respirou mais fundo. Tentei descer a mão pelo umbigo e encontrei as pernas fechadas, ainda não era hora.

- Esse vestido está atrapalhando um pouco...

Tirei a camiseta. Ela abriu os botões da frente e eu abaixei o vestido lentamente. Conforme o tecido desceu os seios dela saltaram para fora um a um. Naturais, médios, eriçados. Caí de boca. Ela passou a mão pelos meus cabelos enquanto sugava cada um dos mamilos.

Afastou a minha cabeça e pensei que algo estivesse errado.

- Abre o teu cinto.

Obedeci e ela puxou as minhas calças com tudo junto. Já estava duro. Ela sorriu com malícia. Segurou meu pau e o acariciou. Aproximou a boca lentamente e quando estava quase chegando nele fechou a boca e fez um biquinho.

- Tu quer? – ela disse com um tom debochado.

- Sim - respondi quase enlouquecendo.

A sensação da boca quente dela deslizando pelo meu pau, a pressão da língua brincando com a glande a cada subida, a força de sucção.... Ela sabia bem o que estava fazendo. Não sei como não gozei naquela hora. Quando estava quase no clímax pedi para ela parar.

- Se controla querido... mal começamos.

Ela largou o meu pau e colocou uma almofada embaixo da minha cabeça. Tirou a calcinha e ficou de joelhos com a minha cabeça entre as pernas.

- Agora é a tua vez... chupa...

Ela estava encharcada e com cada lambida eu sentia o sabor delicioso do mel dela escorrendo pela minha língua. Movia o quadril lentamente e eu podia ouvir a respiração dela acelerando e falhando de tempos em tempos em gemidos baixinhos.

Quando minha mandíbula já estava doendo, ela desceu e me masturbou um pouco.

- Pronto?

- Sim.

Ela pegou uma camisinha de uma gaveta ao lado da cama e a colocou em mim. Depois montou em cima de mim e pude sentir sua buceta engolindo o meu pau. Era apertada e quente. Começou a cavalgar enquanto eu alisava todo o seu corpo. Logo depois ela colocou as minhas mãos nos seus seios e começou a cavalgar mais rápido. Eu ouvia o corpo dela batendo nas minhas coxas no ritmo da foda. Apertei os seios dela com força e ela acelerou ainda mais. Nós dois começamos a gemer e ela gozou de olhos fechados, curtindo o momento como se eu não estivesse ali. Senti aquela pressão forte e explodi logo depois. Disse, ofegante:

- Vamos ter que repetir isso.

- Com certeza.

Ficamos num amasso gostoso até ela se cansar e depois fomos dormir. No dia seguinte, quando acordei, achei um bilhete dizendo que ela tinha uma aula cedo e não quis me acordar. Saí do quarto e cumprimentei sem jeito os colegas de república dela a caminho da saída.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.