"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Passeando de bicicleta com a prima... ai


autor: kaplan
publicado em: 19/06/17
categoria: incesto
leituras: 2569
ver notas



(Escrito por Kaplan)
Viver em cidade do interior tem prós e contras. A favor, uma melhor qualidade de vida. Contra, o fato de todo mundo se conhecer e assim, certas coisas ficam praticamente impossíveis de se fazer. Especialmente quando envolvem sexo. A vigilância é grande, pois todos se conhecem e qualquer deslize significa problemas imensos para os envolvidos.
Abelardo e Vitória eram primos, moravam em casas próximas. Já eram maiores de idade e se gostavam muito. Claro que, como na maioria das vezes, no interior a descoberta do sexo se dava na adolescência, com as famosas brincadeiras de médico.
Com eles não foi diferente. Mas essas brincadeiras sempre envolviam mais primos, mais amigos e amigas, vizinhos, e por mais que o "doutor" Abelardo chamasse a "paciente" Vitória para ser consultada, sempre havia mais gente no "consultório" para atrapalhar uma consulta mais demorada. Mas ele sempre conseguia colocar as mãos nos peitinhos dela e via como ela ficava excitada com aquilo.
Numa das poucas vezes em que ficaram sozinhos, nem se lembravam direito a razão de não ter ninguém por lá, ele a beijou, beijou os peitinhos, colocou a mão dela em seu pau. Ela se admirou da dureza dele, queria ver e ele mostrou. Ficou nisso, mas a vontade de ir além não desapareceu.
Só conseguiram seu intento quando ambos já estavam bem crescidos, ele com 20 e ela com 19 anos. E puderam farrear à vontade, porque ela tinha pedido ao pai uma bicicleta no aniversário de 19 anos, e ganhara. E a cidade passou a ver Vitória pedalando pra baixo e pra cima, e de vez em quando o primo na garupa, ou às vezes ela deixava o primo pedalar e ia ela na garupa.
Ninguém via nada demais, afinal, eram primos, cresceram juntos, a amizade deles era acima de qualquer suspeita... todos achavam isso, só que não era.
De vez em quando ela punha o primo na garupa e saiam pela cidade, atravessavam toda a rua principal e, aproveitando que ali havia poucos moradores, continuava pedalando pela estrada de terra até chegar ao local onde antes funcionava o consultório do doutor Abelardo.
Lá eles desciam, estendiam uma toalha no chão, se deitavam e se amavam. Acompanhemos:
Ela se deitava de costas, ele vinha por cima dela, beijando sua boca. Tirava a camisetinha dela e mamava nos peitinhos, bem mais desenvolvidos do que os que ele tinha visto naquela primeira vez.
Tirava o shortinho dela e afastava a calcinha para o lado, para poder beijar a xaninha e ouvir os deliciosos gemidos que ela proferia.
Depois era a vez de ela tirar a bermuda dele e, ajoelhada, chupar o pau, aquele mesmo que ela pegara um dia e admirara pela dureza. Continuava tão duro como naquela época, e também ficara mais encorpado. Adorava colocá-lo na boca...
Sentava-se no pau dele e pulava até sentir que a dureza ficava mais nítida, sinal de que ele iria gozar, então ela tirava e deixava que ele gozasse em sua barriga ou nas coxas. Nunca dentro!
Satisfeitos, voltavam para as casas, sorrindo ao ver as pessoas acenarem para eles. Que primos Em outro dia, ela passou na casa dele e o desafiou:
- Vamos apostar corrida? Você a pé e eu de bicicleta!
Sabendo qual era o propósito da corrida, ele aceitou o desafio. Ela deu alguns metros de vantagem para ele e saíram em disparada, para o mesmo local de sempre. Quando já estavam quase no final da avenida principal, ele pediu arreglo e ela deixou que ele ficasse com a bicicleta, mas não foi na garupa, ela foi sentada na barra, à frente dele e como já não viam ninguém por ali, começou a colocar a mão no pau dele, por cima da bermuda e sentindo-o endurecer.
Ao chegaram ao local, repetiram o que sempre faziam, ele tirava a camisetinha dela, mamava nos peitinhos, tirava o shortinho dela, sua mão buscava a xotinha, seu dedo se enfiava lá dentro, ela gemia, ele a chupava, ela o chupava, ele a comia. Variavam, ela também gostava de ficar de quatro com ele metendo por trás. E sempre com o cuidado de não gozar dentro. Quando ele tirava, ela batia uma punheta pra ele ou chupava até ele gozar.
Era assim que eles se amavam, sem a cidade descobrir.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.